quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Por que os pensamentos tornam-se imagens oníricas ?



Uma das questões mais intrigantes para quem se debruça sobre os fenômenos oníricos pode ser resumida pela seguinte questão: qual mecanismo poderia explicar a geração de imagens durante os sonhos?
Gostaria de introduzir esse assunto com a descrição de um fato ocorrido recentemente.

Vigília:
Estava dirigindo o carro por ruas próximas à residência em que eu morava quando ainda era pequeno. Dirigia rumo à casa de meu pai que, por estar muito doente, necessitava de meu auxílio naquela tarde. No caminho, lembrei da casa em que morei na infância e, após alguns minutos, encontrava-me passando em frente a um grande muro, à minha direita, por tras do qual pude perceber a existência de uma construção antiga - na verdade um convento de freiras, rodeado por um grande jardim. Nesse momento, ocorreu-me que aquela construção pertencente à Igreja sobreviviria intacta às mudanças do entorno, pois a Igreja manteria intocável suas dependências, apesar da vizinhança estar em constante alteração.

Esse pensamento havia interrompido uma série de especulações que eu fazia solitariamente no carro naquele momento, enquanto dirigia, acerca da seguinte indagação: por que alguns pensamentos e emoções são convertidos em imagens – nos sonhos – enquanto que outros permanecem como pensamentos oníricos ?

Sonho:
Bem, ao final daquela noite tive um sonho: encontrava-me com meu pai, andando na rua em que morava quando ainda era pequeno e passamos bem em frente de nossa antiga casa. A casa estava em ótimas condições, recém reformada e pintada – o que me causou espanto ocorrendo-me o pensamento (onírico) de que até bem pouco tempo eu havia passado em frente e notei que ela estava envelhecida e necessitando de reformas (isso ocorreu de fato na vigília). Andamos mais um pouco naquela rua e avistei, à minha esquerda, uma magnífica construção antiga (que, de fato, não existe naquela rua), muito branca e iluminada. Observei ao meu pai que não lembrava daquela construção ao que ele me respondeu que se tratava de uma construção pertencente à Igreja. Ocorreu-me o pensamento (no sonho) de que o excelente estado daquela bela construção se devia justamente ao fato de pertencer à Igreja, que a mantinha impecável. Pude notar que em seu interior havia uma espécie de jardim, muito belo, onde algumas pessoas rezavam. Fim do sonho.

A conexão entre essas duas experiências é evidente. O que a torna notável é o fato de que a transposição entre a experiência da vigília e a vivência onirica ocorreu justamente quando estava pensando nesse assunto, ou seja, sobre o mecanismo de transposição da vivência vígil para a onirica. É possível que isso tenha aberto uma “porta”  entre esses dois mundos – ou, de uma forma mais singela, diríamos que o sonho buscou responder à indagação que eu mesmo formulava enquanto dirigia – uma espécie de incubação. A questão aqui se refere à eficácia e exatidão da incubação, ou seja, qual mecanismo tornou possível uma incubação tão perfeita e de que modo a incubação se materializou no sonho: quais imagens (na vigília) permaneceram imagens (no sonho) e quais pensamentos analíticos (na vigília) permaneceram pensamentos analíticos (no sonho).

Por que alguns pensamentos (e emoções) são transpostos para o sonho sob a forma de imagens, enquanto que outros pensamentos mentêm sua natureza intacta, ou seja, permanecem como pensamentos analíticos no sonho ? Um neurocientista poderia dizer simplesmente que certas conexões são feitas no hemisfério direito do cérebro (convertendo-se em imagens oníricas), enquanto que outras são elaboradas no hemisfério esquerdo – convertendo-se em pensamentos analíticos oníricos. Porém, essa é uma meia resposta, pois a questão permanece intacta: qual a motivação para que esse mecanismo seja desencadeado dessa forma ?

Alguém poderia dizer: E daí ? Qual a relevância disso tudo ?

Para quem se interessa sobre lucidez onírica é extremamente importante dominar a técnica de incubação de sonhos. Lembremos que a prórpia lucidez é parte do sonho. Embora o SL seja para muitos um paradoxo – pois a pessoa desenvolve a capacidade de recobrar a consciência vígil enquanto dorme – de fato permanecemos, num sentido metafísico mais amplo, sob domínio do sonho. Isso porque a lucidez convencional vígil, ainda que transposta para o sonho, nada mais é do que a consciência dual, onde impera a separação sujeito/objeto, eu/mundo. No sonho lúcido, o ego onírico usualmente opera de maneira semelhante ao ego na vigília, muito embora o entorno seja um produto de sua mente – e no SL isso é reconhecido de maneira analítica. A superação completa dessa dualidade ocorrerá na fase seguinte, quando o praticante exercita a consciência pós-sonho (ioga do sono).

Assim, insisto, a lucidez é parte do sonho, pois a consciência convencional “EU” também é produto do pensamento: eu existo/o mundo existe.

A pessoa pode incubar a lucidez – há uma gama de técnicas para fazê-lo – porem, muitas vezes o pensamento do tipo  “estarei lúcido esta noite” ou “reconhecerei o sonho enquanto tal esta noite”, poderá converter-se não em lucidez onírica convencional (pensamento crítico/analítico onírico: isto é um sonho), mas num conjunto de imagens e enredo simbólico acerca dessa preocupação. E nesse caso, a incubação não surte qualquer efeito. A solução convencional para isso é propor que o praticante esteja fortemente imbuído do proprósito de recobrar a lucidez, valendo dizer, atribua um conteúdo emocional ao propósito de ficar lúcido. Dessa forma, pressupõe-se que o conteúdo analítico/crítico da vigília seja transposto intacto para o ambiente onírico por meio das emoções.

A questão é complexa, pois, novamente, a preocupação com a lucidez pode se converter em imagens oníricas, desencadeando o processo onírico não-lúcido.

Voltaremos a essas questões em outra oportunidade...

4 comentários:

Anônimo disse...

quando acordo pela manha e não me levanto consigo transformar pensamentos em sonho . nem todos são sonhos lúcidos

Anônimo disse...

tenho um alto conhecimento em SL , goataria de ajudalos com minha experiência

Dionisia Oliveira disse...

Então, na realidade eu gostaria de comentar que eu não tenho Pesadelo, meus sonhos são gostosos, tranquilos e feliz eu acordo tão tranquila, procurei mas não encontrei em nenhum site que fale sobre Não ter pesadelos.

Bruno Teodoro disse...

olá Otavio! gostaria de saber se vc possui algum email pra contato?
obrigado!