sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

autodesenvolvimento através dos sonhos lúcidos

1. O autodesenvolvimento através dos sonhos lúcidos é a possibilidade de uma pessoa poder fazer suas potencialidades emergirem através do trabalho com os sonhos e em especial com os sonhos lúcidos.
2. O caso mais simples e corriqueiro são os artistas. Poetas, músicos, arquitetos, escultores, compositores, escritores, dramaturgos, atores, devem muito do desenvolvimento do seu potencial pesoal e artístico aos sonhos
3. Nós temos diversos tipos de sonhos que podem fazer emergir os diversos potenciais que estão emersos na pessoa prontos para serem despertados. Então temos

• Sonhos criativos
• Sonhos inspiratórios
• Sonhos paranormais
• Sonho lúcido máximo

4. De certa forma o Ioga do Estado do sonho de propôs a isso. Com os seus exercícios, técnicas, métodos, metodologia, ideologia, acabavam por capacitar o sonhador a aumentar parte do seus potenciais.
5. Não devemos esquecer de que a maioria dos sonhadores e especialista tem dado a mesma proposta ao longo dos séculos.
6. Alguns sonhadores pensam que só os sonhos criativos servem para o autodesenvolvimento através dos sonhos. Ledo engano. Por exemplo, o sonho paranormal ajuda a desenvolver o parapsiquismo da pessoa. As ideais vindas dos sonhos permitem recepcionar novas idéias que não recisam estar relacionada com a áreas da pessoa, do sonhador.
7. Temos como exemplo, de um matemático indiano adolescente no começo da século XX que aprendeu mtemática através dos sonhos, Ele dizia que a deusa da matemática ensinava ele nos sonhos. No filme “Mentes que brilham” com Matt Damon, um professor faz referencia a esse matemático
8. Um amigo do sonho pode dar uma mãozinha para você em alguma área do seu desenvolvimento que esteja meio devagar. Essa acelerada, turbinada, faz parte dos processos de aprendizado do sonhador na vigília ativa ou onírica, conforme o caso.
9. Outras coisas que entra no processo de autodesenvolvimento através dos sonhos:

• Localidade onírica pessoal
• Expansão da personalidade
• Aumento da lucidez
• Aproveitamento das ideias impessoais
• Sonhos compartilhados
• Procedimento crítico do sonhadaor lúcido na vigília onírica
• Ideías simultâneas
• Projeção da lucidez ativa paa a vigília onírica
• Laboratório da mente nos sonhos

10. Os próprios benefícios dos sonhos lúcidos em si como aumento da memória, aumento da concentração, aumento da atenção, aumento da conscientização servem para dinamizar os potenciais latentes da pessoa.
11. A pessoa, o sonhador começa realizando um programa onírico específico para a sua área que envolve as técnicas de indução aos sonhos lúcidos. Por exemplo: um ator pode se utilizar da técnica da dramatização e isso vai ajudá-lo como artista e no desenvolvimento da técnica; as psssibilidaes oníricas, o sonho como simulação, o sonho paranormal, entram no contexto de diversos potenciais humanos.

otavio aquino

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

localidade onírica pessoal

1. É a localidade onírica com o seu jeitão. A sua função é servir de base onírica do sonhador lúcido na vigília onírica.
2. Dependendo do sonhador a sua localidade onírica pode ser bem movimentada, com a visita de diversos sonhadores nas mais diversas condições.
3. Assim ele pode ser visitado por:

• Sonhadores lúcidos
• Agentes tetas. São os famosos mortos, falecidos, espíritos, desencarnados, ou como você queira chamar do tipo força do inconsciente ou coisa parecida.
• Alunos dotados de alta capacidade onírica. Tanto sonhadores como agentes teta. São inteligências oníricas que alcançaram um grande destaque na escola da vida e estão de olho em você..Pense grande, em termos de sonhos lúcidos que eles estarão aí para dar uma mãozinha
• Personagens oníricos. São criações mentais artificiais sua e de outros sonhadores.
• Onda de influencia positiva. Em um sonho lúcido a gente pode receber uma força telepática maior que é o corpo do sonho do sonhador compartilhado ou apenas a sua influencia, Podemos pensar em termos de teleconferência – sonho compartilhado, e ligação celular – onda de influencia positiva


4. A formação da localidade onírica pessoal obedece os princípios gerais das outras localidades oníricas:

• Sonho impessoal. É a matéria prima da construção
• Sonho compartilhado. O encontro dos amigos
• Sonho recorrente positivo. Você não precisa ficar o tempo todo reconstruindo o seu lugarzinho ao sol no mundo dos sonho, é economia de esforços, energia, tempo.
• Controle dos sonhos. A arrumação do lugar para ficar a sua cara
• Planejamento onírico. Cuidar dos detalhes para que não falte nada
• Sonhos criativos. É a criatividade na decoração do sonhos

5. A função da localidade onírica pessoal é múltipla. Ela serve como ponto de referencia, do tipo ”vamos se encontra lá turma”.
6. É um local só seu para você poder refletir, meditar, pensar, planejar, organizar. Não paga aluguel, imposto, taxa.
7. Claro esta que cada um vai atrair de acordo com a sua arrumação pessoal. Uma pessoa organizada vai atrair gente organizada. Isso ocorre em todos os planos de vida. Por exemplo se você levar para a sua localidade onírica pessoal a desorganização do seu quarto de dormir, dificilmente vai ser alvo da visita de altos estudantes da escola da vida, o que não é uma coisa boa.
8. A respeito do seus visitantes temos que falar que se você for um sonhador lúcido preocupado com as seres em geral e não apenas querer fazer turismo onírico, os altos alunos da escola da vida poderão utilizar a sua localidade onírica pessoal com um espécie de pronto socorro. Você já deve ter ouvido falar as frases

• De que a noite é a melhor conselheira,
• Resposta vinda dos sonhos,
• Idéias simultâneas,
• Acordar com as baterias recarregadas
• Sonhos criativos

9. Tudo isso veio da localidade onírica de algum sonhador.
10. Essas são aquelas das grandes, mas se você começar fazendo as pequenas coisas, tarefas, lições, já esta fazendo uma grande coisa.
11. Ninguém vai criticar você se for apenas um turista onírico, afinal a Disneylândia onírica é o maior barato, os parques temáticos são incríveis, os shows de rock inesquecíveis.
12. Agora se você quer realmente progredir nos sonhos lúcidos, caminhar para a sua maturidade onírica, tem que começar a mudar alguns conceitos pessoais e oníricos a respeito de suas prioridades.
Otavio Aquino

Novas experiências oníricas


Olá a todos !

Estou publicando mais alguns sonhos lúcidos, desta vez sonhados por um de nossos leitores, Almir.

Achei particularmente interessantes não apenas suas aventuras oníricas, como também a técnica descrita abaixo e a abordagem que ele vem utilizando na resolução dos problemas - e que, para mim, revelam um grau elevado de maturidade onírica.

Espero que gostem.

Primeira Experiência enviada ao Blog em 31/08/2010

Relato de um pesadelo lucido

Vou postar abaixo o relato de um sonho lucido, mas que minha intencao era fazer uma viagem astral. (obs: nunca consegui realizar um viagem astral).

A tecnica consiste (pois uso ate hoje) em meditar profundamente, mover-se mentalmente dentro da mente, evitando pensamentos inuteis e mantendo a mente lucida dentro de si mesmo, entrando entao no EV (estado vibracional) que e a porta para a realizacao de uma projecao.

Estando eu meditando, comecei a me sentir leve e entrei logo em EV (Estado vibracional), neste momento fiquei observando a vastidando de minha mente, como se eu estivesse flutuando em um universo nulo. Apos algumas horas fui ficando cansado, mas mative minha mente focada e lucida, entao a surpresa, acabei adormecendo, porem so meu corpo fisico adormeceu e eu fiquei lucido (como se tivesse acordado em outro lugar).
Logo eu pensei que fosse uma projeção, para verificar resolvi então alterar o cenario, era um imenso gramado verde proximo a uma cidade, antes de eu mudar meu proprio quarto. Após isso, eu comecei a observar, e tudo estava igual à realidade, a não ser por um espelho em cima de uma mesa de vidro onde antes ficava meu computador.
Fui logo em direção a ele quando comecou um som que me deixou arrepiado.
Era como se alguem falasse -Ahammmmmm, Ahammmmmmmm por várias vezes, mas não era em tom de gemido e sim um susurro, mesmo assim fiquei assustado, mas continuei indo em direção ao espelho que me surpreendeu pelo fato de ao invés de mostrar meu reflexo, mostrar o rosto de Nossa Senhora da Aparecida, que logo comecou a chorar lágrimas de sangue.
Isso foi o suficiente para me deixar apavorado, e por instinto dei logo um soco para quebrar o espelho, mas apesar de conseguir isso, a imagem ainda estava nitida, foi neste ponto em que eu acordei.

Após ficar pensando um pouco no que havia ocorrido, meu raciocínio levou a crer que isto acontecera pelo fato de as pessoas disserem que projeção e coisa macabra e após ler matérias fakes sobre os perigos de uma projecao.


Segunda experiência enviada ao Blog em 05/12/2010

Sonho lucido - Purificacao

Vou relatar um sonho que tive hoje, na verdade tive vários, porem um lúcido.

Eu estava com sono, deitei virado para cima, com as mãos sobre o peito como um defunto, a posição que me traz relaxamento. Adormeci rapidamente mantendo a consciência.

Abri os olhos e logo vi que se tratava de um sonho, chamei logo um tal de oráculo, uma pessoa que "materializei" para me ajudar (uma longa história) e que agora me acompanha em alguns sonhos. Perguntei para ela qual o meu objetivo hoje e ela (dessa vez sob forma de uma senhora negra) disse:
-Hoje você tem que se livrar de um peso, algo que te acompanha e lhe faz mal. Nesta hora tive no pensamento uma idéia como se eu ja soubesse como fazer isso, uma espécie de introspecção, então girei uma das mãos e dela saiu água, que molhou todo o chão a minha volta, lembrei logo que se tratava de uma espécie de circulo mágico. Fiquei parado e comecei a meditar energeticamente, então o circulo d'agua se foi fechando até chegar aos meus pés, onde a água sumiu como se eu a tivesse sugado para dentro de mim.
Depois eu estava livre para fazer o que eu quiser, contive a euforia e fui voando por cima de uma praça, observando uma mulher branca que parecia me seguir, tinham muitas pessoas ali. Acordei após algum tempo.

Comentários do próprio autor

Na verdade sou novo nas práticas oniricas. Comecei a querer buscar sonhos lúcidos há uns 3 anos atrás, após várias tentativas de realizar uma viagem astral, criei uma técnica de adormecer o corpo físico mantendo a mente lucida com foco em uma determinada parte de cérebro, o chamado terceiro olho (o chakra mais usado e conhecido por mim). O resultado foi simplesmente um sonho lúcido, de modo que você dorme deste lado e acorda no outro.

Ja o oráculo, "ser" onirico relatado no sonho acima é algo que aconteceu por acaso, quando dormi pensando em buscar respostas para como realizar um viagem astral, desde então essa idéia fixou na minha mente e sempre que preciso o chamo. Isso aconteceu duas vezes ainda.

Para ter sonhos lucidos apenas medito antes de dormir, uso da auto-sugestão e às vezes me pergunto se estou sonhando também.
Um dia comecei a escrever meus sonhos, mas a verdade e que minha memória é fraca para coisas que acontecem no mundo fisico, porém os sonhos ficam guardados e às vezes até sonho a continuação de algum, pois sou muito ligado a algum deles por seus significados.
O fato de desistir de escreve-los deve-se a falta de interesse mesmo e tempo, pois somente hoje foram mais de 3.

Sou leitor assiduo do seu blog ha algum tempo, ja me identifiquei com muitas experiencias aqui, e espero se util tambem.

Tenham todos uma boa noite e uma otima semana
erros de ortografia pessoa que relevem XD.


Outro Sonho Lúcido enviado por Almir em 15/12/2010

Vou fazer um relato de um SL que tive hoje pela manha.

Apos sonhar um pouco sem estar lucido, tomei ciencia de que se tratava de um sonho. Isto nao aconteceu por observar algum objeto ou algo diferente mas talvez pela auto sujestao feita antes de dormir...e claro.

Apos fazer alguns voos para fugir de algumas pessoas, tomei ciencia de que era um sonho justamente quando o cenario mudou. Eu estava em um cenario com varias portas e caminhos, dentro de cada porta e cada caminho tinha algumas pessoas, e cada um deles era uma especie de ambiente que referenciava a pessoa que se encontrava ali.

Concentrado e calmo fui caminhando para falar com duas adolescentes que aparentavam uns 16 ou 17 anos. Uma delas estava sentada e levantou-se apos eu chama-la.
-Voce sabe que voce esta sonhando? Foi exatamente o que eu perguntei a ela.
-Sim...acho que sim...respondeu ela.
Perguntei para a outra se elas eram alguma especie de entidade.
-Nao, respondeu ela.

Comecei a caminhar novamente tomado pela curiosidade e pela vontade e explorar o espaco onirico. Encontrei algumas salas com pessoas vestidas com uniformes. Uma pareciam acougues, outras lojas de roupa, outras estudios de gravacoes, outras simplesmente umas salas e etc.

Havia um corredor com portas que ligava a todas elas, como uma especie de conexao. Muitas pessoas estavam espalhadas pelas salas, como grupos tematicos.
Entrei em um lugar que parecia uma mistura de hospital com frigorifico, este lugar dava acesso a um porao, fui ate o parao e voltei. Olhei para 3 mulheres que ali estavam, uma em pe e duas sentadas. Me olharam com um olhar de que parecia dizer "oi, o que faz aqui...onde vai?".

Continuei a andar pelo corredor ate acordar.

OBS: Cortei alguns pedacos do sonho ao relatar o que aconteceu, porem em resumo foi isso.



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

O mistério da Lua

Olá amigos, segue o relato de um sonho lúcido que tive hoje. Aceitam-se interpretações! :)

Estava no campo deitado de barriga para cima vendo o céu escuro da noite. Comecei a focar-me nas estrelas e, à medida que ia fazendo-o, cada vez apareciam mais. Decidi relaxar e aproveitar o momento.

Passado um bocado, e ainda completamente absorvido no cenário, pensei "devia levantar-me" (para ir trabalhar, porque tinha consciencia de estar a sonhar), mas acabei por deixar-me ficar a olhar para as estrelas - agora cada vez mais numerosas e brilhantes.



Nisto, senti como se o chão onde apoiava a minha cabeça desaparecesse. Não assustei-me. Apareceu a Lua com milhares de estrelas em seu redor. Pensei "se conseguíssemos ver todas as estrelas, o céu era completamente luz". As estrelas começaram a agrupar-se formando conjuntos geométricos com fundos coloridos. "Os vitrais das igrejas representam este tipo de fenómenos cósmicos."- pensei Esses conjuntos de estrelas começaram a agrupar-se de formas diferentes em torno da Lua, como se se tratasse de um puzzle, e fiquei com a sensação que era possível chegar a uma combinação perfeita, embora não tenha conseguido perceber qual.



Em seguida, a Lua começou a descrever uma tranjectória eliptica e apercebi-me que estava a observar, mais rapidamente, o seu movimento natural. Passados alguns instantes começou a mover-se bastante rapido captando toda a minha atenção. Todas as estrelas desapareceram e fui absorvido por toda aquela dança ao ponto de aproximar-me abruptamente daquele foco de luz (anteriormente simbolizado pela Lua).



Já muito de perto reparei que a Lua tinha-se transformado no planeta Terra e fiquei com a sensação que era suposto estar a retirar daquele momento um enorme ensinamento. Nesse momento, o meu despertador tocou.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O Espelho para o Passado

Olá a todos!
Hoje tive mais dois sonhos lúcidos que, embora bastante diferentes um do outro, vou apenas só relatar um deles.
Nesse segundo sonho lúcido, já entrei consciente para o sonho (aliás, no primeiro também). Acordei mas consegui não ficar desperto, e então decidi por em pratica algo que já tinha em mente há algum tempo. Imaginei um cenário que é-me bastante conhecido e deixei-me transportar para lá.
Lembro-me de pensar que, ao contrário da simples imaginação, estava realmente a viver o cenário: a luz era intensa, o cenário muito detalhado e até ouvia os sons caracteristicos daquela rua. Decidi caminhar e entrar num enorme portão azul. Ao entrar para dentro do portão, deparei-me com uma pequena quinta com arvores, couves e alguns animais. Estava perfeitamente consciente do que estava a fazer.



Nisto imaginei um enorme espelho e disse a mim mesmo que quando passa-se para o lado de lá, iria ver as minhas vidas passadas. Ao trespassá-lo caí de joelhos e em seguida bati com todo o corpo no chão. A partir daí o meu estado de consciencia mudou abrindo-se um buraco escuro no centro da minha consciencia. Decidi entrar.



O absoluto escuro deu lugar ao hiper-espaço composto por uma infinidade de estrelas. Depois, começaram a surgir aglomerados de gás de cores estraordinárias. Um deles transformou-se numa enorme serpente que, ao abrir a boca na minha direcção, absorveu-me.



Sem perder a consciencia, todo o cenário mudou. Agora encontrava-me a observar buracos feitos na areia. Nesses buracos existiam formas de muitas caras, algumas delas masculinas outras femininas. Todas elas apareciam ligeiramente encobertas pela escuridão, excepto uma em cada buraco. Intuítivamente percebi que era eu noutra vida. Interessante que em alguns deles (eu) era uma mulher, noutros um homem.
Ao fim de alguns buracos, caí num deles ficando coberto até ao peito sentindo que ia morrer. Sem medo, lembrei-me que tudo era um sonho e saí do buraco de areia. Meditei um pouco e decidi acordar.

sábado, 20 de novembro de 2010

Viajando pelo Macro e Microcosmos

Olá amigos!
É com enorme felicidade que vos relato um novo sonho lúcido, acabadinho de acontecer!

Estava a ter um sonho perfeitamente normal. O sonho já ia longo e encontrava-me dentro de uma casa com alguns familiares tentando perceber de que coluna de musica estava a vir o som. Nisto, toca o telefone e falei com uma pessoa, através das colunas de som!
Disse-lhes: "Ainda estou para perceber como atendi uma chamada telefónica numas colunas de som", depois pensei: "Já sei porquê!" e deu um enorme sorriso.



Mais uma vez, tive a sensação que todo o cenário se transformou em luz e sentia o meu cérebro (que se encontrava deitado na cama) em profunda vibração. Pensei: "quero ver o Macrocosmos". Seguiram-se muitas imagens de galáxias inteiras, com várias formas e cores. Depois disse: "agora quero ver o microcosmos" e seguram-se uma enorme quantida de imagens assemelhando-se a fractais e fiquem com a sensação que há algo misterioso que une o Macro com o Microcosmos. Fiquei com a sensação que não existe nem macro nem microcosmos, existe apenas uma consciencia que - por ser distraída - cria a ilusão de tamanhos. O microcosmos é tão grande, quando a nossa consciencia nele habita, como o macrocosmos.



A rebentar de euforia e completamente lucido, pensei "quero ver como é o JHolland". Nisto, a sair de um abismo cósmico, saiu uma imagem de um homem, com cerca de 30 anos, cabelo castanho escuro, pele relativamente clara, oculos, e barba (pêra e bigode).
Curiosamente é a mesma pessoa que apareceu no meu sonho lúcido anterior.



Depois decidi perguntar se ia ficar com a minha esposa. Seguiram-me imagens dela (confesso que físicamente alteradas) a dar leite a um bébé. Senti-me bem.

Completamente lúcido projectei na minha mente os arredores do prédio onde vivo para voar livremente. Recordo-me de comentar comigo próprio como estava realmente dentro daquele cenário e era tudo tão real. Lembrei-me que assemelhava-se às minhas experiências com Salvia. Perfeitamente consciente de que tudo se tratava de um cenário ilusório, decidi trespassá-lo a alta velocidade.



Sentia-me tão bem que nada do que eu fizesse fazia com que perdesse lucidez. Aproveitei toda aquela euforia e extremo bem estar o tempo que quis, até que decidi voltar para o meu corpo. Senti-me como se fosse uma folha, a descer ao sabor do vento, entrando num sitio completamente escuro (provavelmente o meu quarto, porque era assim que estava).
Permaneci lúcido. Depois, senti algo muito semelhante a um flash "não lúcido" e acordei.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Sonho Lúcido: transcendendo o cenário onírico


Mais um relato de Sonho Lúcidos de Isa:


Foi ao nascer do Sol, dia 13/11/2010.

Estava em um apartamento, parecido com o de minha mãe, em Porto Alegre, quando era pequena.
Entrei no banheiro e este tinha dois vasos sanitários. Pensei: Está precisando de uma reforma !
Até que em um momento, me enjoei e pensei: "É o meu velho Ego me condicionando a modificar tudo à minha volta, dentro de meus padrões de conforto."
Então, entrei em um quarto e, atrás da porta, deparei-me com uma mulher, com olhos grandes, fitando-me fixamente, parecendo uma moça indiana, com um bebê bem pequeno no colo.
Ao invés de sentir medo, peguei o bebê no colo e pensei: isto é um sonho ! (SL)
Lembrei, então, que poderia praticar a energia de cura, mas algo me tirou desse pensamento, que acabou fugindo.
O bebê parecia de brinquedo e, embora pudesse sentir seu peso, a sua pele parecia uma casca de ovo. Enfiei meus dedos em suas costas e quebrou !
Devolvi a criança para a mulher.
Olhando novamente, o bebê havia crescido um pouco e tinha uma trança.
Saí do recinto e percebi, entrando nos demais quartos, que sempre havia algo de errado, tal como faltar móveis, coisas sujas ou fora do lugar etc, o que despertava-me a idéia de arrumar ou modificar algo - o Ego novamente !
Pensei: Basta ! Isso é um sonho, eu queria mesmo é estar em uma praia !
Fiquei esperando, incrédula, que eu conseguisse alterar o cenário onírico.
No entanto, passaram-se alguns momentos, e vi-me flutuando em uma praia paradisíaca, embora pudesse sentir a atreia e a água tocando meus pés. Podia observar a areia branca, o mar bem verde, e mesmo uma ilha.
Flutuei em direção a esta ilha e acabei acordando.


quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Sonho Lúcido da Isa: mergulhando no vazio


Aos que acompanham o Blog, vai abaixo a descrição resumida de um Sonho Lúcido vivido por uma pessoa que chamarei de Isa. Digamos que a Isa é uma pessoa muito próxima e que vem acompanhando atentamente - e desde o começo - todas nossas aventuras no mundo onírico, sendo também conhecedora das práticas meditativas.

Esse sonho lúcido me chamou a atenção por guardar estreita relação com algumas práticas meditativas e também porque se asemelha a outros já postados aqui no Blog, inclusive guardando certo paralelismo com o último Sonho Lúcido postado pelo Richard (abaixo).


Foi sexta dia 1º/10/10 pelas 5:30 da manhã.


Acordei para olhar o sol nascendo , mas estava nublado.
Como estava muito cansada deitei novamente para meditar. Vinham muitos pensamentos e eu pensava "Tá bom" e eles iam embora. Acho que peguei no sono e comecei a sonhar, mas não me lembro como iniciou. Só lembro que estava voando muito rapido como nunca voei em sonho antes (geralmente apenas flutuo) e enxergava a cidade lá de cima - tudo muito colorido.
Daí eu ri e pensei: isto só pode ser um sonho, muito feliz e bem humorada.
Olhei atentamente para minhas mãos e elas se deformavam e voltavam ao normal.
Então pensei - o que devo fazer mesmo? AH! Quero ver o que realmente eu sou!!
Daí começou a escurecer e fui sugada para um nada negro.
Desta vez não tive medo e achei até bom, sentia muita paz.

Aí concluí que eu era aquilo mesmo : o vazio.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sonho lúcido: a chama de fogo e os cristais de água

Olá, amigos! Segue o relato de um sonho lúcido, muito diferente dos outros que tive.

Estava numa prisão sem guardas, num prédio enorme ainda em construção. No piso em que dormia não havia grandes disturbios até que, numa noite, as coisas mudaram. Ao fugir de alguns reclusos, pensei: "Vive só até quando quiseres, porque isto é um sonho.".



Agora sabendo que se tratava de um sonho, decidi deixar de fugir. Comecei a correr muito rapidamente em circulos até que, quase voando, decidi trespassá-los. Quando entrei dentro dos reclusos que estavam a perseguir-me, decidi fechar os olhos na tentativa de mudar de cenário para uma praia. O cenário da praia apareceu muito desfocado e, embora estivesse a fazer bastante esforço mental para lá estar, toda a experiencia acabou por ser diferente.
Ficou tudo completamente escuro, como se fosse no hiper-espaço. Perdi completamente a noção de "eu". Nisto, aparece no meu campo de visão uma chama de fogo a fazer vários movimentos. Em seguida, apareceu no hiper-espaço uma matriz verde, como se fosse um tabuleiro de xadrez. A chama fez mais alguns movimentos nessa matriz, mas não percebi qual o significado de tudo aquilo.



Não sabendo ao certo porquê, decidi aumentar a minha energia de presença (tornando-me cada vez mais presente) e a chama de fogo desapareceu, dando lugar a cristais de água. As formas dos cristais alteravam constantemente, levando-me a perceber intuítivamente como se formavam os cristais de água. Lembro-me de ter pensado: "então é assim que se formam os cristais de água...". Fiquei com a sensação que eram os meus estados mentais que transformavam os cristais.





Depois de tudo isto, penso que caí em sono normal, ou pelo menos já não me recordo de mais nada. O que acham desta experiência? Já tiveram experiencias identicas?

Abraços,
Richard

sábado, 11 de setembro de 2010

Explorando Universos paralelos


Nota do Blog: o texto que se segue é uma tradução livre de um fragmento do Capítulo 3 do livro de William Buhlman, "Aventuras Fora do Corpo". A tradução foi realizada a partir da edição em espanhol da obra. Embora se trate de um assunto mais diretamente relacionado às Experiências-Fora-do Corpo (EFC/OBE), resolvi postar esse excelente texto devido às evidentes conexões entre Sonhos Lúcidos e as EFC.




Classificação do Universo invisível


Por William Buhlman

Enquanto a ciencia tradicional segue concentrando-se na capa epidérmica e densa do universo, a exploração e a classificação das dimensões invisíveis começaram sem alarde. Através do intenso processo de tentativa e erro, algumas pessoas deram um passo mais além da matéria e dos limites de nossa tecnologia física atual. As observações efetuadas durante estas explorações não físicas laçaram luz sobre um universo multidimensional de enorme profundidade e beleza.
Se quisermos compreender a estrutura das dimensões invisíveis, devemos ter em conta a capacidade natural de resposta que os sutis entornos energéticos não físicos têm frente aos pensamentos. Mais além da dimensão não física paralela (a primeira), estamos explorando um universo de energia interativo que responde ao pensamento. Assim, uma vez que reconheçamos esta interação entre o pensamento e a energia não física, podemos concentrarmos nas semelhanças energéticas específicas de um nível ou área vibratória concreta. Isto se consegue classificando o modo que um entorno não físico específico responde à energia do pensamento. Este tipo de classificação com base na resposta da energia é muito mais prática que concentrar-se no aspecto das diferenças visuais das distintas dimensões. Duas dimensões vibratórias diferentes e separadas podem parecer surpreendentemente iguais, embora suas frequências vibratórias sejam completamente distintas. Por isso, para julgas os entornos não físicos, não adequados os conceitos físicos tradicionais. Para classificar com eficácia o universo invisível, devemos partir de uma referência ou de um método de comparação novo. O método mais prático é classificar a capacidade de resposta de uma área não física determinada ante o pensamento.

A grande maioria das realidades não físicas têm uma grande capacidade de resposta ao pensamento. Em outras palavras, quando nos separamos de nossos corpos e entramos em uma dimensão não física, nossos pensamentos, tanto conscientes como inconscientes, imediatamente começam a interagir com a energia sutil que nos rodeia e começam a reestruturá-la. A capacidade de resposta das dimensões internas frente ao pensamento explica porque os exploradores extracorporais descrevem com tanta diversidade os entornos que presenciam. Esta situação se complica com a presença dos incontáveis entornos e realidades que existem dentro de cada dimensão individual do universo.

Ainda que o universo tenha uma variedade ilimitada de entornos ou ambientes possíveis, todos os entornos e as dimensões não físicas parecem ter certas semelhanças e diferenças. Cada dimensão ou entorno está formado por frequências ou longitudes de onda específicas de energia. Além disso, cada dimensão e cada entorno parece ser o resultado direto do pensamento. A capacidade natural de resposta ao pensamento das dimensões interiores criou grande parte da confusão e mistério que rodeia os entornos internos. Temos uma tendência natural a relacionar diretamente as experiências não físicas com pontos de referência físicos; comparamos tudo com objetos físicos que conhecemos. Entretanto, as formas moleculares que nos rodeiam não são uma referência válida. Os objetos e os acontecimentos físicos não são o centro do universo, como muitos supõem, mas o resultado final de uma cadeia de reações energéticas que ocorrem no interior invisível do universo multidimensional.

Para compreender a natureza do universo, devemos reavaliar nossos conceitos atuais de solidez, energia e tempo. Devemos manter nossa mente aberta para um novo ponto de vista da realidade. A fim de compreender verdadeiramente a estrutura de nosso universo, devemos investigar a causa invisível da forma e da solidez. Parece-me que a exploração extracorporal nos permite fazer exatamente isso.

A informação relacionada com as dimensões não físicas é mais valiosa do que a maioria de nós reconhece. Não apenas nos ajuda a adaptarmos e a ajustarmos a nosso entorno não físico, como também afeta notavelmente nossa existência física atual.

Até agora, a grande maioria da humanidade morreu sem ter conhecido com entecipação seu destino. A morte manteve-se como um vazio escuro; esperamos coisas boas e oramos por elas, mas quase todos nós nos aproximamos da transição da morte desconhecendo absolutamente qual o nosso destino. Até agora, a humanidade não teve informação comprovável e direta do mistério da vida depois da morte nem das realidades não físicas que então se experimenta.

As experiências extracorporais controladas mudam tudo isso. Na exploração não física, experimentamos os possíveis entornos que serão nosso lugar futuro. Em um sentido muito real, podemos examinar com antecipação e familiarizarmos com nossa morada futura.





OS TIPOS DE DE ENTORNOS ENERGÉTICOS

Uma só dimensão não física pode conter (e às vezes ocorre assim) três tipos de entornos energéticos: de consenso, não consensuais e natural.

Um ambiente de consenso é criado e conservado pelo pensamento de um grupo de pessoas. Por exemplo, os céus de cada grupo religioso são criados pelos pensamentos e as crenças de seus respectivos integrantes. Igual a todas as realidades, a consciência do grupo molda os entornos de consenso. Muitos dos entornos de consenso são extremamente velhos e resistentes à mudança. Embora pareça estranho, as cidades e as comunidades físicas são exemplos de entornos energéticos de consenso. Todas as cidades e povoados se desenvolvem de acordo com os pensamentos de seus habitantes. Em essência, a energia do pensamento humano usa veículos biológicos para manipular e moldar as moléculas físicas que nos rodeiam. O resultado são as estruturas físicas temporais que observamos.

Durante uma experiência extracorporal ou próxima da morte, transferimos nossa noção de consciência a partir do nosso corpo físico para nosso corpo não físico de frequência superior. A isto denomino "mover-se para dentro". Uso o termo movimento porque esta transição de energia com frequência se experimenta como uma sensação de movimento interior. Qualquer referência a um movimento ou exploração interior se relaciona com o reconhecimento consciente de uma área de energia superior.

À medida que exploramos para dentro e nos afastamos da matéria, descobrimos que a primeira dimensão não física é paralela ao universo físico e também é uma realidade de consenso. Este ambiente de energia tem um aspecto tão físico que muitas pessoas pensam que estão contemplando o mundo físico. Na realidade, observam a primeira dimensão energética interna do universo. Devido ao fato desta dimensão ter uma frequência mais próxima da matéria, ela é observada e experienciada com frequência durante as explorações extracorporais. Esta dimensão é um exemplo clássico de uma realidade de consenso: sua estrutura é sólida e estável dentro de sua própria frequência vibratória. Neste ambiente, nossos pensamentos, independentemente de quanto nos concentremos, afetam muito levemente as estruturas de energia. Entretanto, eles exercem um imenso efeito em nosso corpo de energia. Quando pensamos em voar ou em caminhar, podemos fazê-lo. Esta diferenciação entre as mudanças de energia externas e internas (pessoais) é fundamental para compreender a estrutura inerente a uma dimensão ou entorno não físico. Em um entorno de consenso, nossos pensamentos influem em nossa energia pessoal mas não na que nos rodeia. Os diversos céus de que fala São João na Revelação e Maomé no Corão são exemplos clássicos de entornos de consenso. Essas cidades e estruturas não físicas existem dentro da segunda e terceira dimensões de energia e a consciência grupal de milhões de habitantes não físicos as moldam e as conservam. Quando entramos nesses entornos, nossos pensamentos não mudam as estruturas que ali se encontram.

Um ambiente não consensual é aquele não modelado firmemente por um grupo. Tenho considerado que esse tipo de ambiente é o que mais prevalece. O aspecto pode ser qualquer coisa que imaginemos: um bosque, um parque, o mar, inclusive um planeta inteiro. Os ambientes não consensuais são detectados facilmente porque, embora com frequência tenham um aspecto similar ao físico, são muito sensíveis aos pensamentos concentrados e mudam e se reestruturam com rapidez de acordo com os pensamentos conscientes e subconscientes que estão presentes na área imediata.

Si nos encontramos em um ambiente que mudam com frequência ou parece instável, é provável que seja uma realidade não consensual. Nesse caso, é importante que saiba que seus pensamentos, tanto conscientes como inconscientes, provavelmente influíram na realidade que experimenta. Com frequência a mente subconsciente modela as áreas não conscientes para nosso benefício. Por exemplo, se você experimenta um problema ou bloqueio recorrente em seu desenvolvimento pessoal, sua mente subconsciente ou seu eu superior moldará um ambiente que lhe permitirá enfrentar esse bloqueio de uma forma muito pessoal.

Esta confrontação pessoal pode adotar qualquer forma que nos ajude com eficácia a experimentar e superar nossos limites, nossas barreiras ou temores. Muitas pessoas informam que se vêem projetadas em uma situação que as testam de um modo muito pessoal - frequentemente confrontando seus grandes temores ou limitações. Por exemplo, se você sente um imenso temor de alturas, pode ver-se escalando uma montanha ou atravessando uma ponte estreita. Um bom exemplo disto detalha Robert Monroe em Viagens Fora do Corpo, descrevendo sucessivas tentativas de aterrizar um pequeno avião na ponta de um edifício enquanto estava fora do corpo.

Com frequência os ambientes não consensuais parecem semelhantes ao nosso mundo físico normal ou mesmo apresentar um aspecto físico idílico; parques, jardins e plácidos campos verdes. Parece-me provável que tais espaços tenham sido criados pelos pensamentos de outras formas de vida não física que no passado habitaram ou explorara essas zonas. Diferentemente do mundo físico, uma vez formado o ambiente energético, pode durar séculos. Ali a decomposição celular ou molecular não é problema. Um só pensamento criativo, firmemente sustentado, pode modelar um ambiente capaz de durar quase indefinidamente; entretanto, um pensamento mais forte (mais concentrado) pode alterar todo esse entorno em segundos. Lembre-se que todos os ambientes são uma forma de energia e que toda energia em certo grau responde ao pensamento.

Os entornos energéticos naturais (em bruto) são áreas do universo que aparecem sem uma forma específica de nenhum tipo. Estas áreas se observam como vazios brumosos, espaço vazio ou sem elementos, áreas abertas formadas por nuvens de energia brancas, prateadas ou douradas.

Os entornos energéticos naturais são muito sensíveis aos pensamentos. Qualquer idéia focada molda instantaneamente o ambiente. Por isso é importante conseguir certo grau de controle sobre nossos pensamentos. Nossa evolução pessoal depende em grande medida do modo como nos concentramos, controlamos e dirigimos nossa energia-pensamento. Não importa a dimensão que habitemos, nossa responsabilidade pessoal sobre nossos pensamentos e nossas ações é absoluta. Todos os pensamentos são criativos, tanto os positivos como os negativos e reestruturam o ambiente não físico imediato. Por isso os líderes espirituais insistiram sempre em temas como "dar aos demais" e "amar ao próximo". Uma vez que você reconheça a força dos pensamentos, nunca mais gerará ou manterá uma imagem negativa ou destrutiva em sua mente. Os pensamentos negativos ou limitantes são o verdadeiro inimigo que devemos enfrentar. Nas dimensões internas do universo, nossos pensamentos, bons ou maus, influem poderosamente sobre nosso entorno imediato. Isto se observa e se experimenta durante a experiência extracorporal.

Além dos três tipos de entornos que mais prevalecem fora do corpo, existem outros dois.

O primeiro, embora raras vezes se observe, parece estar formado por dimensões e entornos que existem mais além da energia-pensamento. Na verdade, poucos exploradores se aventuraram conscientemente bastante longe para dar-nos uma descrição com modelo preciso destas dimensões. Porque não possuem forma ou estrutura, postula-se que estas áreas do universo existem além do espaço, do tempo e da energia, tal como os concebemos. É possível que estas dimensões e seus habitantes no possam ser descritas mediante nossos conceitos lineares. Não obstante, estou seguro de que nas profundidades do universo interno existem entornos sem pensamentos e sem formas.

O outro ambiente observado é uma área que parece uma duplicata de um espaço vazio. É um ambiente de energia extremamente baixa. Alguns crêem que este espaço não físico seja um ambiente consensual. Eu duvido seriamente desta teoria porque não se emitem radiações ou vibrações energéticas perceptíveis a partir do próprio espaço vazio. Todas as emanações energéticas perceptíveis parecem situar-se próximo de lugares habitados. Parece-me mais provável que esse espaço "vazio" careça de energia suficiente local para que os pensamentos o afetem; como resultado, conserva um estado relativamente constante.

Também deve se assinalado que o espaço não físico vazio parece prevalecer cada vez mais, à medida que nos aprofundamos e nos afastamos da dimensão física em direção à origem de toda a energia. Se desconhece a razão disso. Serão necessárias a observações de numerosos exploradores não físicos antes que cheguemos a uma conclusão.

O universo multidimensional não é só outra teoria; é um fato observável. Quando puser em prática as técnicas extracorporais que explico neste livro, você mesmo poderá verificar este descobrimento. As experiências auto-iniciadas e controladas nos dão uma notável oportunidade de explorarmos as profundezas do universo invisível. A atenção científica atual sobre a atividade molecular densa mudará lentamente para uma forma de investigação baseada na frequência. No século XXI, a ciência começará a reconhecer que as formas densas que nos rodeiam são os veículos externos da energia e que todo o universo físico é só uma parte diminuta do esplendoroso universo multidimensional.


(Fonte: Aventuras Fuera del Cuerpo - Cómo realizar viajes extracorporales - William Buhlman)


segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Textos e livros sobre sonhos lúcidos


Alguns leitores pediram que publicássemos no Blog algumas dicas de leituras sobre sonhos lúcidos. Então, preparei esta postagem, com uma pequena lista de textos e livros sobre SL e sobre um tema estreitamente ligado, as ECF/OBE (Experiências-Fora-do-Corpo/Out of Body Experiences).

Só não me deterei aqui em reproduzir o material já publicado no Blog e que se encontra sob o marcador "Textos sobre Sonhos Lúcidos".

Então fica já a dica: além dos livros aqui mencionados, sugiro a leitura dos textos já reunidos e publicados no próprio Blog !

Começando com os livros introdutórios, vou iniciar com a indicação da "prata da casa", ou seja, o lilvro do nosso colaborador e amigo, o escritor Otávio Aquino.



Trata-se do livro Teoria e Prática dos Sonhos Lúcidos, editado pela Editora Xamã e, ao que eu saiba, disponível apenas em sebos. O livro do Otávio tem apenas 88 paginas, é didático e completo, trazendo muitas informações e dicas de técnicas para os onironautas iniciantes. Uma coisa que me chamou a atenção foi a capacidade de síntese do Otávio - o que não prejudicou uma abordagem erudita, embora despretenciosa, do tema. Bem interessante é a parte final, com muitas dicas de leituras, abrangendo os mais variados campos de interesse.

Outro livro introdutório e essencial é o já clássico livro de Stephen La Berge, Sonhos Lúcidos.

O livro é indispensável para aqueles que pretendem se iniciar nesse mundo. É de leitura muito fácil e agradável.

A edição em português encontra-se disponível apenas em sebos ou em versão digitalizada na Internet.

Como se sabe, La Berge é uma espécie de "pioneiro moderno", pois foi um dos primeiros pesquisadores a levar os sonhos lúcidos ao reconhecimento científico. Atualmente, esse pesquisador dirige um instituto no Havaí onde ministra retiros e workshops sobre sonhos lúcidos - tendo também desenvolvido um dispositivo eletrônico destinado a ajudar os sonhadores a tornarem-se lúcidos assim que começam os sonhos.

Um outro livro básico porém muito interessante é o livro de Patrícia Garfield, Sonhos Criativos.

O livro de Patrícia Garfield foi escrito ainda nos anos 70, e contém material muito interessante de como utilizar a incubação de sonhos para diversas finalidades. Tratando também de sonhos lúcidos, foi nesse livro que li acerca do povo Senoi, tribo da polinésia que se dedica a incubar e sonhar lucidamente - resolvendo praticamente todos os seus conflitos por meio de atuações concientes no mundo onírico.

O leitor que tenha lido pelo menos alguns dos textos e livros acima poderá encontrar mais material interessante - e um pouco mais aprofundado - na conhecida obra de Carlos Castañeda, toda ela voltada em certa medida para os sonhos lúcidos.

Embora eu mesmo não me considere um fã de Castañeda, devo reconhecer que ali podemos encontrar algumas técnicas interessantes e dicas instigantes sobre o tema.

Como se sabe, a obra de Castañeda rendeu muitos livros. Como eu só li um deles - justamente o último - indicarei apenas esse: Arte do Sonhar.

(me absterei por ora de tecer meus comentários críticos acerca da obra de Castañeda, deixando para uma segunda discussão caso alguém se interesse sobre o assunto...)



Um livro já bem mais avançado e que contém farto material não apenas sobre sonhos lúcidos, como também sobre os estados pós-sonhos é o livro, recentemente editado no Brasil, do grande mestre tibetano da tradição Bön-Budista Tenzin Wangyal Rinpoche: Os Yogas Tibetanos dos Sonhos e do Sono.


Trata-se de um livro profundo e que requer algum conhecimento do budismo tibetano - além de prática séria de meditação. Ele adota os sonhos lúcidos como ponto de partida para o caminho espiritual - daí então não ser livro para diletantes, mas para o praticante que realmente queira se aprofundar no tema e esteja engajado no caminho - e se se tratar de um praticante budista, então sentir-se-á em casa. Um aspecto importante nesse livro encontra-se em sua segunda parte, toda ela dedicada à Yoga do Sono - prática essa que se inicia quando o iogue já tenha adquirido maestria nos sonhos lúcidos e envereda pelo caminho do pós-sonho.

***

Devo dizer que alguns dos melhores textos sobre sonhos lúcidos encontrei em livros sobre EFC/OBE, também conhecidas como Projeções Astrais.

Por isso, resolvi indicar alguns livros sobre esse assunto.

Começarei não com o primeiro livro que li sobre o tema EFC/OBE, mas pelo último.

Trata-se, na verdade, de dois livros muito bons escritos pelo norte-americano William Buhlman, chamados "O Segredo da Alma - O Uso de Experiências Fora do Corpo para Entender nossa Verdadeira Natureza" e "Aventuras Além do Corpo" (este último editado no Brasil pela EDIOURO, porém esgotado em português, estando disponível apenas em inglês ou espanhol).





Além das variadas técnicas, os livros de Buhlman contêm inúmeros depoimentos de praticantes de SL e EFC, pois o autor empreendeu a maior pesquisa empírica sobre o assunto que se tem notícia, colhendo depoimentos de mais de 16000 pessoas ao redor do mundo! Mas o que chamou a atenção no livro foi a sutileza e profundidade com que o autor atravessou suas próprias experiências, dando ainda uma instigante interpretação para suas viagens - uma espécie de versão ocidentalizada paralela aos ensinamentos mais profundos dos mestres iogues orientais.

E já que começamos a falar de ECF/OBE, não poderia faltar a indicação de um dos grandes clássicos no tema. Trata-se do livro de um dos pioneiros no Ocidente, Oliver Fox, intitulado Viagem Astral.

Ao lado de Sylvan Muldoon (autor do clássico "Projeção do Corpo Astral"), Oliver Fox foi um dos primeiros autores a tratar do assunto no Ocidente na primeira metade do sec. XX - e o faz de maneira muito leve e agradável. Ele tem o mérito do pioneirismo e por isso suas explorações têm um sabor todo especial, pois o autor não dispunha de qualquer referência para se defrontar com tão singulares experiências !


Infelizmente, ao que eu saiba, o livro de Fox não foi editado em português - e eu mesmo só consegui um exemplar em espanhol.


Outro livro interessante sobre o tema EFC/OBE - e que traz todo um capítulo sobre sonhos lúcidos - é o livro de D. Scott Rogo, "Leaving The Body - A Complete Guide to Astral Projection":


Como esse livro encontra-se disponível apenas em inglês, publiquei aqui mesmo no Blog uma tradução livre do capítulo dedicado aos Sonhos Lúcidos. Fica aqui então apenas o registro desse livro muito didático e muito bom sobre o tema.

E já que falamos de Scott Rogo, não poderia deixar de mencionar um livro muitíssimo importante e que, embora não trate especificamente sobre sonhos lúcidos, discorre longamente sobre um tema correlato ao dos sonhos e estados alterados, ou seja, a morte.


O livro em questão intitula-se "Explorações Contemporâneas da Vida Depois da Morte", editado pela Cultirx. Trata-se de uma coletânea de ótimos artigos das mais variadas tendências, de Ken Wilber a Sogyal Rinpoche; de Scott Rogo a Stanislaw Groff, dentre muitos outros. Resolvi colocá-lo nesta lista por tratar de estados alterados de consciência - e de como tais estados guardam estreita relação com a morte e o pós-morte.

Voltando ao tema EFC/OBE, gostaria de mencionar o livro de Rick Stack, Viagem Astral - As Aventuras Fora do Corpo, facilmente encontrável no Brasil. Aliás, também cheguei a publicar o capítulo dedicado aos sonhos lúcidos aqui mesmo no Blog.


Um outro tema correlato e muito importante para aqueles que se dedicam a explorar o mundo onírico e os estados alterados de consciência é o Yoga Nidra. Não cabe aqui nos determos sobre esse vasto oceano de experiências e conhecimento, mas deixarei indicado dois textos sobre Nidra. Apenas menciono que a prática de Nidra tem por efeito "colateral" um aumento da lucidez onírica.

O primeiro é o livro do mestre iogue indiano Swami Satyananda Saraswatii, Yoga Nidra:


O segundo texto, muito instigante, é de outra tradição iogue e foi publicado aqui mesmo no Blog: Yoga Nidra - Sono Profundo Consciente do Yoga.

Finalmente, não poderia deixar de mencionar um livro clássico e de respeitabilidade acadêmica e científica. Trata-se da coletânea de artigos sobre sonhos organizada por Roger Callois e GE Grunebaum, "Os Sonhos e as Sociedades Humanas".




Esse livro tem especial interesse para aqueles que se dedicam a pesquisar os sonhos e os estados alterados de consciência em geral, inclusive o xamanismo, trazendo textos de autores filiados a abordagens diversas, de antropólogos a psicólogos. Como exemplo, cheguei a publicar, no Blog Metamórficus, um texto de Mircea Eliade, extraído desse livro, "Visões e sonhos inciatórios entre os xamãs..." .



Essas são as indicações básicas. Não custa enfatizar a importância dos outros textos - que, exatamente por sua importância, foram publicados no Blog.

Caso eu venha a me lembrar de algo mais, adicionarei outras(s) postagem(ns) sobre o tema.

Desde já convido os leitores a adicionar aqueles textos e livros que achem mais interessantes.

Bons sonhos !

sábado, 31 de julho de 2010

O Sonho Lúcido de Marcos Vinicius


O sonho que se segue foi-nos enviado por nosso leitor, Marcos Vinicius.
Espero que aproveitem !


Estou postando o SL que tive hoje, por volta das 5:35, logo após ter acordado.

O sonho começa comigo passando na casa de uma amiga para perguntar se haveria alguma coisa importante na escola, pois eu iria faltar aula no proximo dia. Então ela me disse que não teria prova nem exercícios avaliativos.


Quando eu estava saindo no portão apareceram muitos homens de preto portando armas e atiraram muito em mim!! Mas não doeu e nem sangrou então eu disse: é um "SL" .


Nesse momento, o cenário do meu sonho mudou, e ouvi risos bem altos. Ao olhar para cima havia um senhor bem velho, de cabelos longos e brancos, vestido com um manto meio marron estilo bruxo da idade média, mas não usava o chápeu e tinha muitos colares.


Este Homem que estava rindo parecia controlar os homens de preto como marionetes e levava com ele uma corda amarrada no cenário, como se fosse um teatro. Ao perceber que eu estava olhando para ele, ele se surpreendeu e perguntou: Como você me percebeu aqui ?

E eu disse: adivinha... não é todos os dias que vejo um velho voando e se divertindo vendo homens atirando em mim.


Velho: hohoho, mas para você saber que isso é estranho você deve estar ciente que está sonhando não é "jovem criança"?


Eu disse que se ele sabia é porque tambem estava sonhando e ele disse que sim, mas disse que vive nos sonhos e que nunca acorda!


Fiquei pensando em por que será que ele me chamou de jovem criança, então o velho deu um risada de novo.


Velho: yohohohohoho, então eu vou te ajudar a subir, mas antes vais me fazer um favor!


Fiquei pensando o que seria "subir" que o homem tinha me dito. O velho me mostrou na escuridão um par de brilhos e me disse para não temer nada. Após dizer isso ele me contou que aquilo era uma pessoa que tentou controlar a essência da escuridão, e que havia perdido para ela pois a escuridão é gigantesca. Disse tambem que essa pessoa era um amigo dele e que se eu quisesse subir eu teria que ajudar aquela pessoa a se libertar!


Antes de eu perguntar como o amigo do velho tinha tentado dominar a escuridão o velho me mostrou com um exemplo. O Velho me deu uma semente de gira-sol e me mandou fazer ela virar um gira-sol adulto. Eu não entendi como. O velho pegou a semente, e ela cresceu na mão dele até formar um gira-sol. Este por sua vez deu várias sementes que cairam no chão e formaram um campo de gira-sois. Após isso o velho me disse: Vá e não tema, prove ao meu amigo que você pode ajudá-lo, e se ele mandar você se afastar diga que não!


Ao começar a me aproximar estranhezas jamais vistas nos meus sonhos aconteceram, como um porco atravessando a rua acompanhado por vários pintinhos (pintinhos de galinha mesmo!) e um cavalo falou comigo: Está preparado?


Pensei em voltar, mas percebi que o velho iluminava o caminho para mim e me mandava prosseguir!

De repente uma voz me disse: afaste-se. E eu disse: não. E toda vez que eu repitia isso a luz do velho iluminava mais.


Quando cheguei no centro da escuridão o velho me disse que agora era com ele.


Lá havia um homem acorrentado e o velho mandava ele se soltar, até que de fato ele se livro das correntes e voôu para os céus.

Velho: esta acabado agora ele pode voltar!

Velho: agora você vai subir!


Então eu saí voando e ele disse que não era isso que ele quis dizer!

Velho: olhe aquela porta!

Não havia porta alguma, então ele disse: vire-se e olhe de novo, e realmente havia uma porta na rua, o velho entrou e desapareceu, mas ao virar para traz o velho estava atraz de mim e disse: Agora é sua vez, pense em um lugar que quera ir e abra qualquer porta!

Eu abri a mesma porta que o velho e quando a atravessei eu estava em casa, então o velho gargalhou de novo e disse: Agora você subiu, mas não vou facilitar tanto! Me desculpe por isso!

Ao dizer isso, o velho pôs a mão sobre minha cabeça e disse:"jovem criança" veja o mundo com seus olhos!

Neste momento eu acordo e o SL acaba!


domingo, 25 de julho de 2010

Sonhos cerebrais

Definição. Sonhos cerebrais são aqueles produzidos por estimulação de certas áreas do cérebro.
Nomes. Outros nomes pelo qual é conhecido:

1. Sonhos de origem cerebral
2. Sonhos produzidos pelo cérebro

Similares. Eis um grupo de idéias similares a sonhos cerebrais: sonhos materiais, sonhos corporais, sonhos físicos
Contrárias. Eis um grupo de idéias contrárias a sonhos cerebrais: sonhos espirituais, sonhos mentais, sonhos imateriais.
Origem. Alguns sonhos nascem por estimulação do córtex cerebral. Uns diretamente outros indiretamente. Ainda não se sabe bem nem a quantidade ou a correlação com outros tipos de sonhos. Necessita-se de mais pesquisas no asunto.
Classe. A classe de sonhos que temos reflexa a classe de funções que o cerebro realiza habitualmente, ou regiões específicas. Assim temos:

1. Sonhos lúcidos. Estão ligados ao lobo frontal, a autoconsciência esta ligada ao córtex pré-frontal, que apresenta atividade reduzida durante o sono, pode estar alterado durante o sonho lúcidos
2. Sonhos com imagens. São de origem do centro parietal do cérebro direito, aonde se recebem as informações visuais e são processadas. As imagens são vividas, mas o seu conteúdo é frgamentado e incoerente
3. Sonhos com lembranças. Formam-se no hemisfério temporal do hemisfério direito. Se esta zona se etimula eletricamente, as imagens aparecem vertiginosamente como em um caleidoscópio
4. Sonhos de movimento. Tem origem no centro motor, que dita as órdens para o movimento dos músculos
5. Sonhos sexuais. Formam se no centro sensorial corporal. Trata-se da área que reaciona as sensações táteis, dolorosas e outras que se recebem através da pele e das articulações.
6. Sonhos em que se ouvem conversações. Origina-se no centro auditivo do hemisfério esquerdo, que é que controla a compreensão da linguagem falada e dos sons.
7. Sonhos em que percebem cheiros. Formam-se no centro olfativo.
8. Sonhos místicos. Partes do cérebro estimuladas eletricamente produziram experiências místicas nos pacientes
Otavio Aquino

domingo, 27 de junho de 2010

Por que os sonhos parecem tão reais ?



Retirei esses dois textos anônimos do excelente Blog Ninguém, Nunca, em Lugar Nenhum:



POR QUE OS SONHOS PARECEM TÃO REAIS?



A Consciência resplandecendo em você está sempre brilhando, Ela nunca dorme. Assim, quando o seu corpo está 'dormindo', mas o pensar continua ativo durante o estado de sonho, a Consciência resplandece nos pensamentos-sonho, emprestando sua realidade a eles, fazendo, dessa forma,o sonho parecer real. Qualquer coisa a que a Consciência empreste a sua realidade, ganha a ilusão de ter vida - sejam os seus pensamentos durante o estado de sonho ou os seus pensamentos durante o seu estado 'acordado'. A Consciência Universal é a ÚNICA fonte de realidade e percepção que existe. Tudo o mais apenas pega emprestada a sua realidade da Consciência Universal, mais ou menos como a lua à noite parece ter brilho próprio, quando na verdade sua luminosidade vem do sol.

Uma outra coisa sobre os sonhos, é que todos os personagens do sonho PARECEM absolutamente separados no sonho, mas ainda assim você sabe que eles todos de fato vêm de UM sonhador, e são, portanto, UM só. Entretanto, se alguém chegasse para a sua 'persona onírica' durante um seu sonho, e lhe dissesse que todos no sonho eram de fato apenas UM, você pensaria que esse alguém estava louco. Portanto, mesmo nos sonhos, as crenças incorretas distorcem a realidade. E não pense que os pensamentos, que criam essa distorção da realidade durante seus sonhos, param de fazer seus "truques" quando você "acorda" - eles estão criando a mesma distorção da realidade AGORA MESMO.


Você é 100% "auto-relizado" nesse mesmo instante, quer você entenda isso ou não. Não existe um "caminho", apenas crenças incorretas que precisam ser removidas. E a própria crença de que existe um caminho é, em si mesma, um obstáculo. Você não pode nunca estar fora da eterna realidade, ISSO É IMPOSSÍVEL.

Não esqueça, TUDO acontece NA PERCEPÇÃO. Mesmo quando você entende tudo o que eu estou dizendo, os pensamentos ainda podem aparecer como "Eu tive um dia cheio no trabalho hoje, distraí-me e não fiquei muito na PERCEPÇÃO". Mas isso é apenas um pensamento que está acontecendo na PERCEPÇÃO. Da mesma forma, o pensamento oposto, "Eu tive um dia muito 'focado', e realmente permaneci na PERCEPÇÃO" é igualmente um pensamento, uma visão, que está acontecendo na PERCEPÇÃO. Tudo é apenas uma aparência na PERCEPÇÃO. E você é a PERCEPÇÃO, não a aparência.

Uma pessoa ocupada num sonho tem o sonhador fluindo através dela em menor escala que uma pessoa meditando no mesmo sonho? Para o sonhador, ambas são apenas um sonho. O personagem do sonho que ignora o fato de que existe apenas a Consciência do sonhador está tão na Consciência quanto o personagem que tem esse entendimento. A única diferença entre eles é que o que não tem esse entendimento está simplesmente carregando crenças incorretas.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Mais alguns sonhos lúcidos


28/05/2010
(lua cheia)

Primeiro SL da noite

Havia acordado de madrugada, mais ou menos às 04:00 hs. Voltei a dormir.
O sonho começa como uma espécie de filme, há um personagem em uma sala - personagem esse que se torna "eu", às vezes.
Esse personagem conversa com alguém, semelhante a um militar norte-americano do século XIX, daqueles que aparecem nos filmes classe "B" sobre a época da guerra civil.
Ele oferece ao protagonista-eu uma arma - uma pistola antiga, daquelas de um só tiro.
O personagem-eu a recusa.
Depois é-lhe oferecido um cavalo e "ele-eu" aceita.
Saímos então para pegar o cavalo.
A saída do quarto ou sala dá para um corredor que fica no andar de cima da casa.
Nesse momento, percebo que é um sonho (SL) e resolvo interromper o enredo.
Jogo-me da escada e começo a flutuar, caindo muito lentamente.
Posso perceber com muita clareza que me aproximo do chão (que é de mármore branco, semelhante ao chão da casa de meus pais) e que posso também me afastar dele, dependendo do pensamento.
Faço alguns testes de controle mental dos movimentos oníricos (para cima e para baixo, várias vezes, sempre observando o chão se aproximando ou se distanciando).
Ouço alguém tocando piano, mas não posso ver quem é, está no andar de baixo.
Porém, algo um pouco sinistro ocorre: tenho a impressão de ouvir alguém cochichando ao pé de meus ouvidos de que "há alguém atrás de mim" ou "em minhas costas".
Fico com medo e acordo.

OBS: após transcrever esse relato, notei não ser a primeira vez que isso me vem. Uma das hipóteses é de que eu mesmo fiquei sob influência do livro de Robert Monroe - Viagens fora do Corpo - em que o autor narra alguns episódios de seres se prendendo às suas costas...

Segundo SL da noite

É noite e estou andando em uma rua.
Uma senhora anda ao meu lado, mas não estamos juntos, é apenas uma casualidade.
Viro à esquerda e ela também.
Deparamo-nos com um travesti nu na calçada. Ele assume uma postura um tanto quanto agressiva.
Faço careta para ele e continuo andando, porém, apresso o paço.
Após atravessar a rua, volto-me para trás e não tenho certeza se o travesti está lá ou não.
Nesse momento, percebo que é um sonho (SL) e já começo a voar.
Vejo com clareza os edifícios (baixos) e as luzes nas janelas.
Ocorre-me a idéia de procurar um mestre, mas logo acordo.
Ao acordar, ainda sinto a flutuação, por alguns segundos.

31/05/2010
Mais ou menos às 06:00 hs.

Havia acordado à noite.

Voltei a dormir - mas talvez tivesse sido um falso despertar.

O sonho começa.

Estou em uma rua e, por alguma razão que não me lembro, resolvo puxar o dedo - descrente, entretanto, de que se tratasse de um sonho - foi quase uma brincadeira !

O dedo, contudo, estica e se parte (SL). Fico surpreso, mas não excessivamente excitado.

Resolvo caminhar pela rua, somente observando atentamente, sem fazer nada em especial.

Estou muito lúcido e atento a cada detalhe. Há muitas pessoas caminhando pelas ruas e venta muito - lembro-me do vento balançando fortemente a copa das árvores.

Observo os edifícios, árvores, tudo.

O sonho está estável e parece que posso ficar ali muito tempo, simplesmente observando o cenário e as pessoas.

Noto que está tudo normal, porém o que me chama a atenção é que as pessoas têm uma fisionomia um pouco estranha, mas não há monstruosidades.

Resolvo parar de andar e ficar apoiado em um muro, só observando.

A ponta do dedo que havia partido virou uma espécie de chiclete e eu estava brincando com essa macinha grudenta, um pouco incomodado.

Isso chamou a atenção de um grupo de senhoras que andava pela rua, muito falantes, semelhante a turistas.

Elas passaram e me perguntaram o que eu estava fazendo com aquilo. Disse-lhes para não se importarem e fiz uma "mágica" e a macinha grudenta desapareceu.

Elas ficaram contentes e riram.

Comecei a andar com elas e perguntei o que faziam.

Responderam-me que "trabalhavam, fazendo compras e dormindo"... (!)

Espantei-me, pois talvez soubessem que estavam em um sonho.

Perguntei se sabiam que tudo isso era um sonho.

Elas me responderam que sim, mas de um modo um pouco confuso, de forma que conclui que não eram sonhadoras lúcidas.

Insisti que isso era REALMENTE um sonho e demonstrei isso enfiando a mão dentro de um telefone público, de modo que meu braço o atravessou.

Acrescentei que talvez fosse o MEU sonho, ou talvez não...

Houve um certo burburinho e então resolvi continuar a observar mais atentamente o cenário, enquanto andava - especialmente as árvores, as folhas.

Disse a ela como era incrível a mente criar um mundo tão detalhado, com folhas idênticas às reais !

Peguei uma das folhas da árvore e senti a textura.

Mas logo veio a mente que talvez essa espécie não existisse - como saber ? se não sou biólogo...

Acordo


domingo, 20 de junho de 2010

Teorias conspiratórias e viagem no tempo em um sonho lúcido


23/05/2010
(em Florianópolis)


Estava com minha irmã em um veículo grande - navio, barco ou ônibus.
Descemos desse veículo e noto que se trata do passado.
É como se estivéssemos assistindo a um filme e, no meio dele, tivéssemos entrado nele.
Começamos a discutir se o filme ocorre no passado ou no presente.
Concluo, pelos veículos, que é de uns 10 anos atrás.
Nesse instante, já estamos caminhando dentro dele (ou seja, "entramos" no cenário), pelas ruas.
Comento com ela que não seria impossível que seres do futuro se infiltrassem no passado, para influenciar os acontecimentos.
Ela responde que, de acordo com as teorias da conspiração, isso já está acontecendo e a infiltração ocorre nas seitas evangélicas.
Discordo dela e digo que seria nos laboratórios e sistema financeiro.
Segue-se uma pequena discussão.
Estamos subindo a Rua Augusta, em São Paulo, à noite.
Ocorre-me que, se estamos no passado, seria interessante procurar uma banca de jornal para termos certeza de que lugar no tempo estamos.
Pergunto a ela se disseram como podemos voltar ao nosso tempo.
Ocorre-me também que, se estamos viajando no tempo, seria bem possível que isso fosse um sonho e resolvo esticar o dedo.
O dedo estica (SL).
Espantado, mas sereno, olho para ela e explico que estamos numa viagem no tempo DENTRO DE UM SONHO e estico o dedo novamente para ela.
Digo-lhe para ela lembrar bem do sonho, para quando acordar se certificar do SL.

(OBS: não pude me certificar com ela, após acordar, acerca da possibilidade de compartilhamento do SL, pois me encontrava viajando, em outra cidade.)

Chegamos então na Av. Paulista, à procura da banca de jornal.
Quando chegamos ali, tudo está deserto e escuro, sem luz, semelhante a um black out.
Não há bancas de jornal.
Resolvo gritar "pelo mestre" e sento no meio da rua, lembrando os ensinamentos de Lama Tsering, para "nada fazer" durante um SL.
Alguns homens aparecem, em atitude agressiva, e ela luta com eles. Eu não faço nada, simplesmente fico sentado, chamando pelo mestre.
Os homens me evitam e nada fazem comigo.
Resolvo andar, ainda à procura do mestre.
Olho ao lado e vejo uma loja repleta de jornais e livros, com pessoas dentro.
Porém, continuo chamando em voz alta pelo mestre.
Pergunto: - Você é o mestre ? - E elas dizem que não, ou me evitam.
Chego em um bar e repito a pergunta, mas nada.

Acordo.