quinta-feira, 26 de março de 2009

Consciência critica

Definição. Consciência crítica é a atitude, conduta, comportamento, que tomamos de reflexionar a realidade à nossa volta, quer na vigília ativa como na vigília onírica. É a consciência reflexiva que utilizamos normalmente em outras situações. É o nível de consciência que temos dos fatos, eventos e objetos à nossa volta.
Nomes. Outros nomes pelo qual e conhecido:
. Alta consciência
2. Consciência alerta
3. Consciência consciente
4. Consciência reflexiva a maior
5. Teste da realidade
Divisão. A consciência critica divide-se em dois tipos
1. Consciência critica ativa
2. Consciência critica onírica
Popular. É o popular estar acordado, alerta, antenado, consciente desperto, ligado, lúcido, vivo.
Importância. A importância do estudo da consciência critica radica no fato de que parte do desenvolvimento da consciência onírica e desenvolvida na vigília ativa. Não se pode querer desenvolver, corretamente a consciência critica onírica,a lucidez onírica, sem desenvolver a consciência critica ativa.
Ativa. Na vigília ativa, utilizamos a consciência crítica de forma interrogativa, questionamos, equacionamos, interrogamos, se o que acontece à nossa volta é certo ou não, de forma comparativa. Assim se vemos alguma coisa fora dos padrões imediatamente avaliamos se o que vimos se enquadra nas nossas experiências, ou como vemos a realidade. Mas na maioria das vezes, nós simplesmente deixamos as coisas passarem despercebidas.
Aceitação. Um fato simples sobre isso: muitas pessoas olham o dia inteiro para seu "mundo aceito como ele é", o chamado mundo dos antecessores. O que acontece de novo é um sucessor e, apesar da necessidade de questionar o sucessor, normalmente aceitamos e enquadramos nos moldes do mundo aceito como ele é.
Mecânica. Na vigília ativa utilizamos essa forma de reflexão de uma maneira mecânica, robotizada. Na realidade nós temos menos consciência crítica do que deveríamos ter. Passamos a maior parte do tempo no piloto automático. Só utilizamos a consciência critica quando nos sentimos em perigo, real ou imaginário.
Relógio. Como exemplo dessa situação pode dar o exemplo do relógio. Muitas pessoas olham varias vez para os ponteiros de seus relógios varia vezes por dias, mas se perguntadas são incapazes de dizer qual o tipo de algarismo do relógio
Comum. Em um sonho comum, não lúcido aceitamos os fatos como se fosse realidade, por mais absurdo que possa parecer, por mais fora dos padrões que um acontecimento onírico possa estar.
Lúcido. No sonho lúcido a já desenvolvemos uma consciência crítica mais aguçada e tratamos o sonho como sonho. Os nossos processos de reflexão se tornam mias agudo, permitindo que ao questionarmos o acontecimento percebamos que estamos em um sonho.
. Esse é o critério para a técnica da pergunta se estamos acordados ou não. Ou quando analisamos a realidade onírica a nossa volta e pesquisamos as incoerências, erros, falhas nos sonhos, utilizamos, de fato a consciência critica onírica
Mínimo. Apesar disso parecer simples, no sonho lúcido mínimo, como os acontecimentos são muito próximo da vigília ativa, as vezes a nossa consciência crítica não produz o efeito desejado, somos levados a crer que estamos vivendo uma realidade, apesar de estarmos sem a barreira do inconsciente. Fazemos as coisas melhores, mas nem por isso concluímos que estamos sonhando.
Primeiro. Nos primeiros sonhos lúcidos ainda não conseguimos desenvolver bem os mecanismos críticos de tal forma que ainda podemos ter sonhos não lúcidos estranhos e não refletirmos na realidade deles, desses acontecimentos oníricos.
Discriminação. Com a consciência critica conseguimos discrimar os tipos de sonhos que temos. Os sonhos são feitos por muitos tipos, mas geralmente não conseguimos discriminá-los.
Máximo. No sonho lúcido máximo a consciência critica alcança-se o seu ponto máximo ou alto estado da consciência, estado em que as percepções, estados mentais, estados consciências, estados transpessoais, são muito maiores do que na vigília ativa.
Inversão. O desenvolvimento da consciência critica inverte-se no sonho lúcido máximo uma vez que temos a situação em que o nível de lucidez, e por extensão a consciência critica é maior na vigília onírica do que na vigília ativa
Alta. Quando chegamos ao estado de alta lucidez, no sonho lúcido sem sonho percebemos o mundo de uma forma diferente. Digamos que tanto o sonho como a linguagem são mapas de como vemos a realidade. Na alta lucidez, deixamos de ver os mapas para vermos o território. A nossa consciência crítica expandida.
Otavio Aquino

5 comentários:

Colina de Prata disse...

Gostaria que me indicasse uma bibliografia básica sobre o assunto do ensonhar. Já li o de Ted Andrews mas quero outros pontos de vista.

Grato.

jholland disse...

Olá !
O termo "ensonhar" mencionado por vc é utilizado por Carlos Casteñeda, então não sei se vc deseja apenas se aprofundar na abordagem conhecida por "Nagualismo" ou se vc busca informações sobre as diversas técnicas e abordagens sobre Sonhos Lúcidos. Na primeira hipótese, creio que vc deve buscar informações nos diversos livros do Castañeda, muito fáceis de achar, além dos livros de alguns de seus colaboradores(as). Caso, entretanto, vc busque informações mais completas e aprofundadas sobre Sonhos Lúcidos, sugiro em especial as abordagens (muito antigas) reunidas em torno do termo "Yoga dos Sonhos". Antes de tudo, há 2 livro básicos e introdutórios sobre o assunto "sonhos lúcidos" em geral, dentro de uma visão ocidental e científica (embora aberta): o primeiro livro é o do Steve LaBerge, chamado "Sonhos Lúcidos" (disponível em sebos e até digitalizado na Internet como EBook). O segundo, um pouco mais antigo, é o de Patrícia Garfield (Sonhos Criativos). Aprofundando-se bem mais, sugiro alguns livros escritos dentro da tradição do Budismo Tibetano, pois a Ioga dos Sonhos foi criada ali, como uma das "Seis Yogas de Naropa". O Budismo Tibetano atribui grande ênfase e importância à Ioga dos Sonhos, considerada uma das práticas avançadas do Tantra Budista. Há alguns textos importantes escritos por mestres Dzogchen, porém estes, em sua maioria, ou se encontram em inglês ou espanhol (vc pode importar pela Amazon)ou estão reservados àqueles que receberam a transmissão direta do mestre. Dentre os disponíveis em inglês ou espanhol, sugiro que vc procure os livros sobre prática noturna escritos pelo mestre Namkai Norbu Rinpoche, e também o livro "El Yoga de los Sueños", escrito por Tenzin Wangyal Rinpoche. Outro livro que segue essa tradição profunda recebe o título de MEDITATION, TRANSFORMATION, AND DREAM YOGA, de Gyatrul Rinpoche. No momento, estou traduzindo e deverei publicar neste Blog em breve um capítulo do livro de D. Scott Rogo, "Leaving the Body". O capítulo em questão trata das relações entre a chamada "projeção astral" e os sonhos lúcidos. Por fim, há um texto muito importante (em inglês)publicado neste Blog de autoria de um mestre e que trata da abordagem budista sobre os Sonhos Lúcidos (serve também como introdução às abordagens tibetanas). Trata-se do texto "A buddhist perspective on lucid dreaming" de autoria de Tarab Tulku XI, publicado neste Blog em 13/11/2007. De resto, há alguns textos interessantes sobre o assunto, que vc pode acessar neste Blog sob o marcador "Texto sobre Sonhos Lúcidos" e também "Textos pessoais sobre Sonhos Lúcidos".
Não sei se pude te ajudar com essas informações.
Abraços !

Célia H Barcellos disse...

Oi Colina,

Sobre ensonhar, tenho algum material dentro do link:
http://holosgaia.blogspot.com/search/label/ensonhar

[]'s
Célia

Colina de Prata disse...

Ambos me ajudaram. Já tive belas experiências com sonhos lúcidos, influenciado por técnicas xamânicas e Gnósticas, li a pouco o livro Tibetano dos Mortos e renasceu em mim a chama pelo assunto, estou gratos a todos, obrigado mesmo :D

jholland disse...

Muito interessante ! Em relação às dicas de leitura, creio ser interessante também mencionar a Yoga Nidra, técnica desenvolvida na Índia e que trabalha com os estados intermediários (estado hipnagógico). A lucidez nesse estado é muito importante para a meditação profunda e para o desenvolvimento dos sonhos lúcidos.
Se vc quiser trocar mais idéias, experiências e/ou informações, sinta-se à vontade !