sábado, 26 de dezembro de 2009

O primeiro sonho lúcido de H. Vilela


O seguinte post é da autoria do nosso colega H. Vilela.

Olá pessoal do "Sonhos Lúcidos"! estou aqui de volta, desta vez não para tirar duvidas,mas sim, para finalmente poder relatar a vocês que tive meu primeiro sonho lúcido (talvez meio-lúcido), mas que já deu uma sensação que eu jamais tive sonhando.

Bem.. assim que acordei depois do sonho peguei uma agenda e uma caneta para anotar o máximo que pude... era mais ou menos 3 da manhã.

Bem no meu sonho eu estava dormindo na sala de casa em uns colchões jogados no chão, um primo meu também dormia em uns colchões de lado. Então eu acordo e está tudo escuro, aí já logo acontece uma coisa estranha.. a televisão da sala estava desligada, e de repente quando eu olhava nela, ela ligava e aparecia um canal com umas coisas escritas que não dava pra entender, o estranho é que quando eu desviava o olhar dela a TV desligava. Isso eu já achei estranho e testei umas 5x e sempre acontecia: eu olhava, a TV ligava, não olhava, desligava.
A partir daí desconfiei que poderia estar em um sonho, e fiz o teste de puxar o dedo. E uqal foi minha supresa de ver que o dedo ia se esticando quando eu puxava, mas o que achei estranho é que como estava escuro eu não via o dedo esticando em si, mas via a sombra dele se esticando... o que foi suficiente para acreditar que estava em um sonho.

Depois disso lembro que comecei a fazer testes, como estava escuro, fui instintivamente acender a luz, mas não consegui. ela não acendia.. acho que tentei até simplesmente desejar que ela se acendesse, mas não funcionou.
Depois senti um pouco de sede e fui à pia do banheiro beber água, e aí foi uma coisa estranha: não consegui beber a água.. era como se não houvesse nada... mas eu via a agua, mas colocava a boca e não sentia ela...
Depois disso lembro que tentei voar, mas o máximo que consegui foi flutuar baixinho.

O mais alto que cheguei foi ao teto, mas não consegui ultrapassá-lo.

Bem.. depois essa cenade tentar atravessar o teto e não consegui lembro que "acordei" e meu primo derepente me disse "Então é verdade essa coisa de "Projeção Astral"? Aí eu confirmei e puxei meu dedo... quando fui ver estava sonhando ainda... depois disso acordei mais um vez no mesmo lugar, mas nem desconfiei que ainda estava sonhando e fui contar para a minha mãe que eu queria tanto ter um sonho lúcido, mas que agora eu estava assustado com tantos falso-despertares (uns 3 ou 4, eu sempre acabava de acordar e puxava o dedo e ele esticava, antes de eu efetivamente acordar na minha cama em meu quarto).

Bem... no geral foi legal a experiência, mas eu só espero que no próximo eu não fique tão apreensivo com os falso-despertares e consiga aproveitar melhor a lucidez.

23 comentários:

Richard Hermeticum disse...

H. Vilela,
Antes de mais, parabens e bem vindo ao mundo onirico!
O teu relato é bastante engraçado e diferente dos que temos vindo a relatar. De certeza que vai dar uma bela conversa.

Obrigado,
Richard

jholland disse...

Hahahahaa ... muito bom, muito bom mesmo !! E também muito divertido ! Você está de parabéns, sem dúvida.

Falando sério, pareceu-me muito uma Projeção Astral - se bem que é muito difícil estabelecer fronteiras nítidas entre esses 2 aspectos de nossa consciência (Sonhos Lúcidos x Projeção Astral).
Você surpreendeu bastante, já começa "afiado".

Um aspecto importante diz respeito aos falsos despertares: os autores divergem sobre seu significado e utilidade prática, mas todos estão de acordo que se trata de algo significativo. Para alguns, dormir dentro do sonho, e acordar em outro nível, significaria uma passagem para outra fase do mundo sutil.

Achei curioso você ter dito que não conseguiu acender a luz - essa impossibilidade é confirmada por quase todos os autores e é mencionada até no filme Waking Life.

Seria interessante você falar algo sobre a técnica que vem utilizando e as condições gerais imediatamente anteriores ao sono dessa noite...Se você não lembrar, tente anotar na próxima vez.

Continue nos dando notícias !

Abraços

H .Vilela disse...

Olá Richard! Também achei engraçado (depois que acordei... porque enquanto sonhava realmente fiquei preocupado com os falso-despertares.)

Deve ser típico de marinheiro de primeira "viagem".. hehe

jholland fiquei meio surpreso com uma coisa que acabou de comentar... sobre o Sonho lúcido e a projeção astral ,não são o mesmo?(perdi alguma matéria sobre isso aqui no blog?)

Talvez eu tenha mencionado dentro do sonho desta maneira, porque tenho pesquisado sobre o assunto, mas não cheguei a entender bem se tem alguma diferença...

A questão da luz, já cheguei a comentar aqui no blog, que tive uma rápida sensação de falso despertar um vez, e nesta também não consegui acender a luz. E enquanto acordado eu sempre verifico de vez em quando isso, além de puxar o dedo com alguma frequencia quando lembro.

Agora tem uma outra coisa... quanto À tecnicas e condições, não fiz nada de muito diferente.. fui dormir normalmente.. mas ultimamente tenho ouvido música para dormir(geralmente ouço algumas cantatas de J.S.Bach mais suaves)e acabo caindo no sono...
Mas acho que o diferencial é que esses ultimos dias tenho verificado a realidade com masi frequência e duvidado mais das coisas que acontecem ao meu redor... ( que foi o que ocorreu com o fato da TV no sonho....)

H .Vilela disse...

ahh.. outra coisa...

Sobre a questão da água. .de eu não conseguir bebê-la.. tem algum escrito sobre isso...

Acho que foi o mais estranho... o que mais me chamou a atenção, mas não sei bem o porquê.

jholland disse...

H.Vilela,

Como tudo na vida (rsrs), há muita controvérsia sobre essa coisa de Projeção Astral e Sonhos Lúcidos.

Por exemplo, um conhecido escritor, como S.LaBerge, nega enfaticamente que os SL sejam Projeções (aliás, nem sei se ele põe muita fé em Porjeção...). Para ele, é justamente o contrário: as projeções são uma modalidade de SL.

No outro lado do espectro, aqueles que praticam PA, consideram que os SL são uma espécie de PA inconsciente, ou seja, o sonhador-projetor estaria de fato numa projeção, porém sem o saber, dado que o cenário ainda é onírico.

Os sonhos de vôo, por exemplo, trazem a sensação do que está ocorrendo de fato (projeção), mas o sonhador acha que está voando por cenários oníricos, fantasiosos. Daí a facilidade com que os sonhadores lúcidos têm em converter seus sonhos em projeções conscientes (sempre segundo esse pessoal da Projeção.), havendo técnicas simples para essa "conversão" ocorrer.

Da minha parte, acho que há um "continuum": nem os SL são completamente sonhos, nem completamente lucidos; nem as projeções são completamente lúcidas, nem reais - pois não faz muito sentido em se falar em mundo "objetivo" no plano sutil...

A questão pode parecer mais acadêmica do que prática (num primeiro momento...)

Isso porque temos como verdade incontestável que há sempre possibilidade de verificarmos o que ocorre no mundo "objetivo" - tanto nos SL, como nas Projeções - como também, por exemplo, realizar compartilhamentos oníricos (uma espécie de telepatia) ou obter acesso a eventos desconhecidos ou futuros, assim como acessar locais onde ensinamentos estão guardados etc (como disse, tanto nas Projeções, como nos SL), dependendo é claro do grau de aprofundamento e, penso, desapego/espiritualidade do praticante.

Finalmente, o que occoreu no seu SL/PA em relação à água, assim também outros aspectos do cenário em que você se encontrava me levam a considerar mais seriamente a hipótese de que se tratava de uma PA consciente.

Bons sonhos !!!

Richard Hermeticum disse...

Caro JHolland,
Vou fazer uma obversação complementares a uma parte da tua ultima intervenção.

"Por exemplo, um conhecido escritor, como S.LaBerge, nega enfaticamente que os SL sejam Projeções (aliás, nem sei se ele põe muita fé em Porjeção...). Para ele, é justamente o contrário: as projeções são uma modalidade de SL."

Como sabes, o LaBerge no final da sua obra "Sonhos Lúcidos" chega mesmo a dizer que, a nível de lucidez, os sonhos lúcidos estão "acima" das projecções astrais. Segundo o autor, na projecção astral normalmente a pessoa não está consciente ao ponto de saber que trata-se de algum tipo de ilusão. Pelo contrário, nos sonhos lúcidos, a pessoa sabe estar perante uma ilusão.

É muito fácil perdermo-nos em rótulos mentais sobre o que é um sonho lúcido e uma projecção astral, se nos esquecermos que há (ou deve haver) um objectivo por detrás de todas estas experiências. Refiro-me à aquisição de uma consciência multidimensional.

Abraço,
Richard

jholland disse...

Se entendi bem, o que você disse coincide com a minha percepção sobre isso. Parece-me, entretanto, que para LaBerge, a projeção astral só poderia mesmo ser uma ilusão, diante do paradigma materialista ao qual esse autor aparentemente se filia.

Voltando à questão principal: creio que, em se tratando do mundo/corpo sutil, não podemos sequer falar mais em "ilusão" ou "realidade", pois se trata de uma dimensão em que as leis da vigília não mais se aplicam.
Um ponto em que Robert Monroe foi bastante claro. (pretendo por uma postagem sobre isso aqui em breve - na verdade um capítulo do livro dele).

Para mim, ao invés de falarmos de "ilusão x realidade", seria talvez mais adequado falarmos de "lucidez x apego", pois tanto no universo sutil, como também na própria vigília, nossas percepções (cognição), nossas crenças e nossos sentimentos (nossos corpos, nossa atividade mental e nosso sentido de "eu") estão sem conformidade e refletem o nosso nível de apego. Daí então esse "continuum" mencionado antes.

Abraços !

Richard Hermeticum disse...

JHolland,
Sem duvida que a tua definição de "lucidez vs apego" é bem melhor do que "realidade vs ilusão".
Penso que até pode ajudar a percebemos se a nossa lucidez, num sonho lúcido, é verdadeira lucidez (desapego) ou simplesmente apego ao sonho lúcido.
Brilhante.

Abraço,
Richard

H .Vilela disse...

Bem... acho que agora ficou um pouco mais claro o significado dos termos "Projeção Astral" e "Sonho Lúcido".. mas definitivamente sou iniciante do assunto, então fiquei um pouco perdido nas explicações, mas se captei algo, o seu pensamento é que quando acontece no SL ou PA é como se nós aproveitassemos o tempo de repouso da vigília para "dar uma espiada" num "outro plano"?, ou não só dar uma espiada, mas sim vivenciar um outro tipo de vida, ou algo assim?
Ou entendi tudo errado???

...
Mudando um pouco de assunto... gostaria de saber o que está acontecendo que estou com dificuldade de entrar no site. Isso anda acontecendo há uns 3 ou 4 dias.. e acho que é só com o Sonhos Lucidos, pois outros blogs do blogspot estão abrindo normal...
Está acontecendo com vocês também?

Abraços pessoal!

Richard Hermeticum disse...

Vilela,
A partir de Portugal não tenho tido problemas em aceder ao blog.

Abraço,
Richard

jholland disse...

H. Vilela,

Sim, é isso mesmo.

Vou expor a minha interpretação pessoal:

Os sonhos são como uma cortina translúcida, pela qual conseguimos ver parcialmente as sombras e luzes vindas da realidade "de fora", transpessoal. Conforme formos capazes de transpor as ilusões do Ego, a cortina se abre e podemos ter acesso à realidade objetiva, que como disse é transpessoal.

Mas a questão vai ainda um pouco além. É que se entendermos nossas vidas - tanto na vigília, como nos estados alterados de consciência - a partir de um continuum, poderíamos didaticamente imaginar uma espécie de linha onde, numa extremidade, teríamos uma lucidez/desapego total; e, na outra ponta, a ilusão/apego seriam bem grandes. Na extremidade de desapego/lucidez máximos, teríamos o estado de auto-realização ou liberdade plena, quando o ser se livra de todos os condicionamentos (a cortina deixa de existir); na extremidade oposta, estaríamos inteiramente sujeitos aos condicionamentos (sociais, emocionais, da memória etc) e impulsos (corporais etc).

Os estados alterados de consciência - dentre eles os SL e a PA - seriam um lócus privilegiado onde nossa mente se encontra mais plástica, mais livre, em razão de estarmos libertos de alguns dos condicionamentos corporais-grosseiros mais imediatos. E, por essa razão tanto a racionalidade - cuja base é o referencial corporal - como algumas vontades e propósitos "conscientemente" formulados (a partir da memória) começam a não mais operar nesse universo sutil. E por essa razão, a transpesoalidade já se faz mais presente, explícita (a cortina começa a ficar mais transparente).

Daí porque não fazemos certas coisas que pretendíamos fazer no estado de vigília normal, assim como, muitas vezes, fazemos coisas insuspeitas e surpreendentes, que de outro modo não imaginávamos praticar quando na vigília-racional-grosseira.

Até aqui, nenhuma novidade, pois tudo isso se assemelha às descrições de Freud acerca do Inconsciente - conceito não por acaso construído a partir dos estudos dos sonhos (somadas a uma forte influência das religiões orientais e da mitologia grega).

Dizia acima que nos estados alterados de consciência - ou seja, no mundo sutil - nossa mente é mais plástica e livre. Isso implica dizer que aqui também estamos em contato com condicionamentos mais íntimos, e por isso estamos em melhores condições de lidar com nossos condicionamentos em estado bruto (karma) e superá-los.

Operando no mundo sutil (seja, por exemplo, nos SL ou nas PA ou por meio de substâncias psicoativas em certas condições), percebemos que aquilo que imaginamos, tememos, desejamos se revela, nesse universo paralelo, "concretamente" e se mescla com a realidade, digamos, "objetiva".

Assim, o sonhador-projetor que se encontra no mundo sutil normalmente impregna suas experiências com uma mescla de projeções egóicas e "realidade", pois ainda não se livrou completamente dos condicionamentos impostos pelo apego ao corpo e à memória.

Note-se aqui que no mundo sutil - e exatamente por termos nos livrado dos condicionamentos corporais mais grosseiros - o Ego também começa a operar de maneira transpessoal, ou seja, estamos num universo onde a mente de outros seres (egóica) opera conjuntamente com a nossa, na construção do mundo sutil. (é o começo da abertura da cortina...).

Em suma, essa mescla de desejos/apegos/temores também opera na cognição da realidade "normal", vígil, só que essa mescla que embaralha nossas percepções fica mais evidente, explícita, no mundo sutil. Neste, as regras de separação aparentemente claras entre realidade x ilusão desaparecem.

O processo de retomada da lucidez e superação dos condicionamentos auto-impostos é normalmente longo e exige uma integração constante entre as experiências vividas no mundo sutil e vigília, assim como um firme propósito de nos tornarmos seres humanos melhores, mais livres.

jholland disse...

Ainda sobre esse assunto (SL x PA), coincidentemente, li hoje a seguinte discussão, em um forum sobre SL do qual participo (em espanhol):

> ¿El viaje astral es lo mismo que el sueño lúcido?

> Según mi criterio, pienso que no, por que en el viaje astral creo que la experiencia es totalmente real y puedes hacer comprobaciones de que has estado en cierto sitio. Mientras que en el sueño lúcido, por lo menos hablo desde mi experiencias, he sentido fuertes impresiones, he hecho lo que he querido, la sensación experimentada ha sido muy real y el escenario onirico muy vivido, pero despues he comprobado en vigilia que nada de lo que he hecho, o ninguna prueba que he dejado para después comprobar ha estado allí, osea que solo he viajado en el sueño, aunque la experiencia me haya parecido real.

> Me gustaria que alguien mas puesto en el tema que yo me explicara la diferencia entre un desdoblamiento o viaje astral en un estado de conciencia alterada o relajación, sin llegar a estar dormido y un sueño lúcido.

> Un saludo y gracias por vuestra atención.
>

Creo que hay un viejo debate sobre ello, para unos es lo mismo y para otros no. Mi opinión es que todo sueño es "real", lúcido o no, o mejor dicho otro canal o forma de contemplar la "realidad", con leyes distintas a las de la vigilia, si en esta los sucesos se relacionan a través de los parametros espacio-tiempo, en el sueños se relacionan de manera simbólica , por su significado (quizás me estoy aventurando demasiado).

Célia H Barcellos disse...

Sobre a dificuldade de entrar no blog, eu também passei por isso, não conseguia acessar nenhum blog blogspot. Aí peguei umas dicas com o Fernando do blog Pistas do Caminho:


http://www.google.com/support/forum/p/blogger/thread?tid=0c750dec1a079645&hl=pt-BR

Foi assim que resolvi:

Com a ajuda de um colega, consegui resolver, segue os passos:


O passo a passo é:

- Vá ao painel de controle;
- Clique em Conexões de Rede;
- Clique com o botão direito sobre sua rede (deve estar marcada como LAN);
-Escolha propriedades;
- Clique em Protocolo de Internet (TCP/IP);
- Clique em propriedades;

Na janela que vai abrir busque a opção: "Use os seguintes endereços de servidor DNS" (ou algo parecido a isto, aqui uso inglês)

No primeiro campo digite: 208.67.222.222
No segundo campo digite: 208.67.220.220

Clique em OK e reinicie.


Célia

Guilherme R. Fauque disse...

Muito bom o teu blog. Acrescentei como dica de leitura no meu blog.

Gostaria de te convidar para conhecer o meu blog: Conversando sobre Espiritualidade, que creio ter uma linha semelhante ao teu.

O endereço: http://espiritualidade-aton.blogspot.com

jholland disse...

Muito obigado, Guilherme, pelas palavras de incentivo.

É um prazer tê-lo aqui, continue participando !

Vou dar uma visitada no teu Blog em breve !

Abraços !

pint disse...

Antes de mais cumprimentos a todos.

Antes de dormir (passar a estar num estado menos consciente ) é possivel existir uma alteração da realidade do quarto onde estamos e nos apercebermos disso?
O pq dessa consciência, falamos num universo paralelo?

jholland disse...

Pint,

Primeiramente, obrigado por nos visitar e participar do Blog.

Em relação à sua pergunta, não sei bem se a compreendi: pareceu-me que voce esteja se refindo a uma estado anterior ao sono propriamente dito, porém em que voce já percebe alterações em sua percepção.

Bem, se se trata disso, creio que esse estado se assemelha muito às OBEs/EFC clássicas, em que o projetor cai rapidamente em um estado alterado de consciência que ele nem reconhece ser "sono" mas, ao mesmo tempo, interage com o cenário da vigília (no caso, o quarto), agora um pouco diferente. Muitas projeções são realizadas assim.

Em relação à interpretação para esse fenônemo, há, é claro, muita controvérsia - desde explicações puramente materialistas, até espirituais e místicas.

Em geral, a explicação para as OBEs que não se prendem a um materialismo simplista e vulgar se assemelham muito àquilo que voce chamou de "outras dimensões".

(Da minha parte, venho explorando essa questão e confesso que esteja me aproximando mais das antigas tradições filosóficas e espirituais do Oriente)


Para algumas filosofias, há tantos universos quantos forem nossos estados de consciência. Na verdade, o que ocorreria é justamente isso: não somos nós que estamos no Universo, mas o Universo é que está em nós. Os Universos nascem e desaparecem de acordo com nossa Consciência.

Abraços !

Richard Hermeticum disse...

"Para algumas filosofias, há tantos universos quantos forem nossos estados de consciência. Na verdade, o que ocorreria é justamente isso: não somos nós que estamos no Universo, mas o Universo é que está em nós. Os Universos nascem e desaparecem de acordo com nossa Consciência."

Em rigor, é isso que a Física Quântica diz (e prova?).

caroline disse...

gente..to um pouco assustada e perdida com isso que vem me acontecendo..poderiam me ajudar...quero que isso pare..nao quero mais sonhar..me ajudem..

caroline disse...

gente..to um pouco assustada e perdida com isso que vem me acontecendo..poderiam me ajudar...quero que isso pare..nao quero mais sonhar..me ajudem..

caroline disse...

como faco pra parar esses sonhos????

jholland disse...

Caroline,

O que exatamente está acontecendo ?

Me disse...

Também não consegui voar em meus primeiros sonhos lúcidos mas depois do quinto adquiri a habilidade.